Tradutor - Translate


Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

Minha foto

                    Trabalho com vendas direta no mercado informal, sou artesã por gosto e vocação nas horas vagas, ou quase sempre. Pra falar a verdade eu acho que  nasci pra fazer arte .Adoro meus animais de estimação, a Vida, meu maridão, meus amigos .Embora pareça uma pessoas mal humorada e brava, não sou, só parece.É só saber levar que fica fácil. Enfim com o tempo vc decide quem sou eu !!! Adoro a Natureza e fico muito irritada quando vejo tanta destruição, maldade principalmente com os animais, isso realmente me irrita e preocupa. Mas vou vivendo com amor e carinho, num caso de amor e cumplicidade eterno com a vida.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Humor e Informação

28 de Abril Dia da Sogra


A imagem da sogra de "bruxa malvada", "cobra venenosa" e outros adjetivos nada elogios, é a que perpassa o imaginário popular há tempos.
Mas ninguém nunca pensa no outro lado; o lado da mãe que pensa correr o risco de perder o filhinho amado para uma jararaca sem coração, ou melhor, a nora!
Claro, não é sempre assim: existem noras que possuem um relacionamento muito melhor com a sogra do que com a própria mãe.
Mas o retrato eternizado dessa parenta para a toda vida (sim, porque segundo a Legislação, a sogra é o único parente que se continua tendo mesmo após a separação!)
É o da mulher que tem por rival a companheira que o próprio filho escolheu, não raro infernizando e botando tudo quanto é defeito no que a norinha faz.
Sogra que se sente traída geralmente não esconde a animosidade contra a companheira do filho, então, qual o segredo?





Mostrar a elas que não competem com ninguém, porque o amor do querido rebento é para sempre.
Deixando de lado todos esses preconceitos, a nora poderá conquistar na sogra uma poderosa aliada, e até descobrir nela uma mulher.
Experiente e com qualidades que as rivalidades não deixavam transparecer!





domingo, 24 de abril de 2011

Atelie Maçã com Cravo: VIII CONVENÇÃO DE BRUXAS E MAGOS EM PARANAPIACABA

Atelie Maçã com Cravo: VIII CONVENÇÃO DE BRUXAS E MAGOS EM PARANAPIACABA

VIII CONVENÇÃO DE BRUXAS E MAGOS EM PARANAPIACABA

Páscoa, que delicia!


O significado da Páscoa...
A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas.
Muitos costumes ligados ao período pascal originam-se dos festivais pagãos da primavera. Outros vêm da celebração do Pessach, ou Passover, a Páscoa judaica. É uma das mais importantes festas do calendário judaico, que é celebrada por 8 dias e comemora o êxodo dos israelitas do Egito durante o reinado do faraó Ramsés II, da escravidão para a liberdade. Um ritual de passagem, assim como a "passagem" de Cristo, da morte para a vida.
No português, como em muitas outras línguas, a palavra Páscoa origina-se do hebraico Pessach. Os espanhóis chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques.
Nossos amigos de Kidlink nos contaram como se escreve "Feliz Páscoa" em diferentes idiomas. Assim:
A festa tradicional associa a imagem do coelho, um símbolo de fertilidade, e ovos pintados com cores brilhantes, representando a luz solar, dados como presentes. A origem do símbolo do coelho vem do fato de que os coelhos são notáveis por sua capacidade de reprodução. Como a Páscoa é ressurreição, é renascimento, nada melhor do que coelhos, para simbolizar a fertilidade!




Vamos ver agora como surgiu o chocolate...
Quem sabe o que é "Theobroma"? Pois este é o nome dado pelos gregos ao "alimento dos deuses", o chocolate. "Theobroma cacao" é o nome científico dessa gostosura chamada chocolate. Quem o batizou assim foi o botânico sueco Linneu, em 1753.
Mas foi com os Maias e os Astecas que essa história toda começou.
O chocolate era considerado sagrado por essas duas civilizações, tal qual o ouro.
Na Europa chegou por volta do século XVI, tornando rapidamente popular aquela mistura de sementes de cacau torradas e trituradas, depois juntada com água, mel e farinha. Vale lembrar que o chocolate foi consumido, em grande parte de sua história, apenas como uma bebida.
Em meados do século XVI, acreditava-se que, além de possuir poderes afrodisíacos, o chocolate dava poder e vigor aos que o bebiam. Por isso, era reservado apenas aos governantes e soldados.
Aliás, além de afrodisíaco, o chocolate já foi considerado um pecado, remédio, ora sagrado, ora alimento profano. Os astecas chegaram a usá-lo como moeda, tal o valor que o alimento possuía.
Chega o século XX, e os bombons e os ovos de Páscoa são criados, como mais uma forma de estabelecer de vez o consumo do chocolate no mundo inteiro. É tradicionalmente um presente recheado de significados. E não é só gostoso, como altamente nutritivo, um rico complemento e repositor de energia. Não é aconselhável, porém, consumí-lo isoladamente. Mas é um rico complemento e repositor de energia.
 



 

E o coelho?
A tradição do coelho da Páscoa foi trazida à América por imigrantes alemães em meados de 1700. O coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã de Páscoa.
Uma outra lenda conta que uma mulher pobre coloriu alguns ovos e os escondeu em um ninho para dá-los a seus filhos como presente de Páscoa. Quando as crianças descobriram o ninho, um grande coelho passou correndo. Espalhou-se então a história de que o coelho é que trouxe os ovos. A mais pura verdade, alguém duvida?
No antigo Egito, o coelho simbolizava o nascimento e a nova vida. Alguns povos da Antigüidade o consideravam o símbolo da Lua. É possível que ele se tenha tornado símbolo pascal devido ao fato de a Lua determinar a data da Páscoa.
Mas o certo mesmo é que a origem da imagem do coelho na Páscoa está na fertililidade que os coelhos possuem. Geram grandes ninhadas!



Mas por que a Páscoa nunca cai no mesmo dia todo ano?
O dia da Páscoa é o primeiro domingo depois da Lua Cheia que ocorre no dia ou depois de 21 março (a data do equinócio). Entretanto, a data da Lua Cheia não é a real, mas a definida nas Tabelas Eclesiásticas. (A igreja, para obter consistência na data da Páscoa decidiu, no Conselho de Nicea em 325 d.C, definir a Páscoa relacionada a uma Lua imaginária - conhecida como a "lua eclesiástica").
A Quarta-Feira de Cinzas ocorre 46 dias antes da Páscoa, e portanto a Terça-Feira de Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa. Esse é o período da quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas.
Com esta definição, a data da Páscoa pode ser determinada sem grande conhecimento astronômico. Mas a seqüência de datas varia de ano para ano, sendo no mínimo em 22 de março e no máximo em 24 de abril, transformando a Páscoa numa festa "móvel".
De fato, a seqüência exata de datas da Páscoa repete-se aproximadamente em 5.700.000 anos no nosso calendário Gregoriano.






sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sexta - Feira Santa /Significados

Sexta-Feira Santa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
O Cristo crucificado, por Diego Velázquez
A Sexta-Feira Santa, ou 'Sexta-Feira da Paixão', é a Sexta-Feira antes do Domingo de Páscoa. É a data em que os cristãos lembram o julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo, através de diversos ritos religiosos.
Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu no domingo seguinte ao dia 14 de Nisã, no calendário hebraico. A mesma tradição refere ser esse o terceiro dia desde a morte. Assim, contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico, tal como o romano, contava o primeiro e o último dia, chega-se à sexta-feira como dia da morte de Cristo.
A Sexta-feira Santa é um feriado móvel que serve de referência para outras datas. É calculado como sendo a primeira Sexta-feira após a primeira lua cheia após o equinócio de outono no hemisfério sul ou o equinócio de primavera no hemisfério norte, podendo ocorrer entre 20 de março e 23 de abril.


                                                              

Segundo o Cristianismo



A sexta-feira de paixão ou sexta-feira santa é o dia cristão que marca o julgamento, condenação, martírio, morte e sepultamento de Jesus Cristo. É na sexta-feira da paixão que Cristo percorre a Via Sacra que também é conhecida por muitos como Via Dolorosa. Ele carrega sua cruz até o Gólgota, onde é crucificado.
Depois de morto, seu corpo é descido da cruz e sepultado em uma gruta lacrada por uma grande pedra. Segundo a tradição cristã, a morte de Jesus é qualificada como Paixão, metaforicamente um ato de amor e de entrega. O silêncio, o jejum com base na abstinência de carne e a oração marcam este dia.

Desta forma segundo a tradição cristã na sexta-feira santa não se deve consumir carne vermelha. O tradicional é o consumo de peixe.







Segundo o Espiritismo:



Nao existe páscoa na doutrina espírita. A Páscoa é uma festa católica, culminância da chamada semana santa. Nesta data algumas religiões comemoram a morte e a ressurreição de Jesus. Na doutrina espírita, sabemos que a morte é conseqüência do processo reencarnatório, que não tem nenhuma conotação especial a não ser a volta para o mundo espiritual e portanto não há necessidade de se relembrar sempre com tristeza a data. Jesus tinha uma missão quando reencarnou na Terra, e ao cumpri-la retornou a pátria espiritual e para isso passou pelo processo desencarnatório chamado de morte. Quanto a Páscoa, ela é comemorada como a ressureição de Jesus por algumas religiões mas sabemos que isso é impossivel. O corpo carnal uma vez morto, jamais retorna a vida. Desde que haja o desligamento do perispírito e conseqüentemente do espírito, a matéria se torna inerte e não mais adquire vida. Jesus apareceu a seus apóstolos após a sua morte em um fenômeno chamado materialização, onde seu perispírito se tornou visível para todos que estavam presentes.

1998-2004 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo





O JEJUM NAS RELIGIÕES



 



Catolicismo

A Igreja Católica sempre teve uma disciplina penitencial, que inclui o jejum. Na época dos profetas, o jejum era uma forma de arrependimento e de conversão. Hoje é de renúncia ao prazer que o alimento dá, de homenagem a Deus e a Jesus e solidariedade aos que passam fome. É uma forma de purificação e crescimento espiritual. É feito na Quarta-Feira de Cinzas e na Sexta-Feira Santa (amanhã, 9/4). O fiel escolhe a forma de jejuar, mas a igreja orienta a privação total ou a redução de uma das refeições principais. Por resolução da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), não é mais obrigatória a abstinência de carne vermelha na Sexta-Feira Santa. Pode ser substituída pela privação de algo prazeroso --como comer chocolate-- ou por uma ação assistencial.

Judaísmo

O principal jejum realizado é o Iom Kipur, dia do perdão (abstenção de líquido, alimento, sexo e cigarro), do amanhecer ao pôr-do-sol. O Iom Kipur é um dia de total transparência, em que a pessoa vai avaliar sua vida, o seu desempenho no ano que terminou. O jejum é feito também em outras quatro ocasiões.




Islamismo

O jejum é um dos cincos pilares da religião. Obrigatório uma vez por ano, no nono mês do calendário islâmico, o Ramadã. Comida, líquido, sexo e álcool são proibidos da alvorada ao pôr-do-sol, com alimentação moderada à noite, acompanhada de orações. É considerado uma purificação física (dá um descanso ao organismo), mental (abstinência de pensamentos considerados ruins) e espiritual (o que inclui o sentimento e a ação de solidariedade aos carentes).




Budismo

O jejum já existia na Índia pré-budista, integrava a prática de mortificação, para alcançar a purificação corporal e espiritual. A prática ainda é conservada, até mesmo em escolas do Japão.

Fontes: Frei Volney Berkenbrock, professor de história das religiões da Universidade Federal de Juiz de Fora; Dario Bevilacqua, porta-voz da Arquidiocese de São Paulo; rabino Nilton Bonder; xeque Jihad Hassan.



segunda-feira, 18 de abril de 2011

Fusca Clube de Mogi das Cruzes


Esse Veiculos estavam  em exposição no Shoping de Suzano.(10/04/2011).
Eles fazem parte do Fusca Clube de Mogi das Cruzes.























quinta-feira, 14 de abril de 2011

Mega Artesanal

Feiras De Artesanato 2011

Categoria Eventos

feiras de artesanato 2011 Feiras De Artesanato 2011
 PROUNI bolsas remanescentes 2011As feiras de artesanato 2011 já estão acontecendo em todo o país com o objetivo de divulgar os trabalhos manuais. Esse gênero de evento é valorizado entre as pessoas, principalmente por aquelas que apreciam arte e os traços culturais do povo brasileiro. Em cada região do país predomina um tipo de artesanato e as feiras procuram expor a diversidade aos visitantes.
Os artesões encontram nas feirinhas espaço para divulgar técnicas artesanais, divulgar as confecções e até vendê-las para os visitantes. Os trabalhos podem estar relacionados à decoração ou vestuário, mas costumam impressionar pela delicadeza e criatividade. Em algumas feiras é possível até se submeter a cursos para entender melhor como funcionam determinados métodos.
Quem confecciona peças artesanais e faz sucesso nas exposições pode até optar por um micro-negócio a partir dessa idéia. O artesão empreendedor adquire consciência do seu mercado e aprimora as suas peças manuais para conseguir obter lucros significativos. É importante lembrar que o artesanato, em suas diferentes modalidades, explora o senso criativo e acrescenta personalidade a composição, sendo ela relacionada a decoração ou vestuário.
feiras de artesanato 2011 1 Feiras De Artesanato 2011
As regiões Norte, Centro-Oeste, Nordeste, Sul e Sudeste exibem uma diversidade impressionante de trabalhos artesanais, expondo dessa forma a flexibilidade cultural do país. No território nordestino é possível encontrar mobiliário, utensílios, esculturas brinquedos, instrumentos musicais, entre outros itens confeccionados a partir do artesanato. O trabalho com madeira, palha ou barro é típico na região.
Apesar de o artesanato nordestino ser mais reconhecido e expressivo, as demais regiões também contam com artesões criativos e que trabalham com diversas matérias-primas. A produção artesanal na Região Sudeste é bem flexível, tanto em São Paulo como em Minas Gerais. Já no Norte o destaque fica por conta do artesanato indígena, enquanto o Sul aposta em novos designs e destacam trabalhos de tecelagem. Por fim, no Centro-Oeste o artesanato se destaca com a produção artesanal de jóias e peças de capim dourado.

Programação de Feiras de Artesanato

feiras de artesanato 2011 2 Feiras De Artesanato 2011

- 5ª Feira Internacional de Negócios do Artesanato (FINNAR): está com inscrições abertas entre os dias 15 a 24 de Abril. O evento tem como objetivo reunir 300 artesões para expor trabalhos Centro de Convenções Ulysses Guimarães, tomando toda a ala sul do pavilhão, em Brasília. Trata-se de um evento importante para a arte e cultura no Distrito Federal.
- Feira Internacional de Artesanato (FEIARTE): está acontecendo em Florianópolis pela quarta vez com uma programação cultura bem flexível, que deve durar de 02 a 10 de abril. São mais de 200 estandes de 24 países diferentes e também dos demais estados brasileiros. Os visitantes podem participar de oficinas e interagir com diferentes culturas.
- Feira do Bordado de Ibitinga: evento de artesanato tradicional no interior paulista, que em 2011 estará em sua 38ª edição. As exposições estão agendadas de 8 a 17 de julho e promete mostrar nesse período o que há de mais bonito e sofisticado em matérias de peças artesanais.
Nas cidades nordestinas é possível encontrar diversas feirinhas de artesanato, o que contribui com a felicidade dos turistas que procuram lembrancinhas para comprar durante a viagem. Bahia, Paraíba, Alagoas, Ceará e Pernambuco são alguns dos estados que se destacam com a comercialização de peças artesanais o ano todo.
Aproveite as dicas de eventos sobre artesanato para fazer a sua própria programação e conferir as novidades da arte manual no Brasil. Os artesões podem participar das feiras para fechar negócios e obter lucros com os trabalhos.